Programação

Lote: Manhã

08:45 – 09:00 – (0:15)

Prem Ramam e amigos da OneSoul Band

Multi-instrumentista autodidata, o músico realiza desde 2004 pesquisas nas áreas da etnomusicologia e misticismo musical. Seu trabalho resgata práticas sonoras ancestrais de vários continentes que fortalecem o poder da autocura. Nesta linha, Prem Ramam vem se especializando como "terapeuta do som" através de algumas técnicas específicas de canto e toques de instrumentos étnicos.  
09:00 – 09:45 – (0:45)

Klebér Tani – A tradição e os fundamentos da técnica de Meditação Transcendental

Klebér Tani, um dos diretores da Sociedade Internacional de Meditação Transcendental do Rio de Janeiro, fundador da MT Brasil e seguidor de Maharishi Mahesh Yogi (famoso por ser o guru dos Beatles nos anos 60), abriu o Rio Desperta 2018 ressaltando que qualquer pessoa é capaz de meditar. Dos mais céticos e agitados, aos mais tranquilos e receptivos à prática que busca o autoconhecimento e a paz interior, Klebér comprovou sua fala ao convidar a plateia a seguir com ele na meditação, cuja fala suave cumpriu àquilo que se propôs.
09:45 – 10:00 – (0:15)

Abertura e Prem Ramam

Bem-vindos ao Rio Desperta. Acreditamos que a transformação individual e social começa aqui, e agora.  
10:00 – 10:45 – (0:45)

Oberom – O mundo tem fome de Amor

Oberom abriu sua palestra “O mundo tem fome de amor” dizendo que iria “estragar” o domingo da plateia. Com uma defesa contundente do veganismo, descreveu o doloroso processo de separação do bezerro de sua mãe e o impacto disso na vida de ambos. Oberom citou ainda as crueldades feitas com as vacas leiteiras, de modo que possam produzir a maior quantidade de leite possível. Nesta argumentação, confirmou que meditar significa cessar as flutuações de pensamento e questionou: “como ser possível cessar as flutuações se o alimento que consumo vem impregnado de dor e violência?” Ao final, ressaltou que há o ignorante que desconhece e aquele que opta por “esquecer” o que sabe, e fez a inevitável pergunta: “Em qual dessas classificações vocês estarão a partir de hoje?”.
10:45 – 11:00 – (0:15)

Banda Shivasamba

Shivasamba é a união de cinco músicos que se permitem experimentar os mantras como potência criativa para oferecer ao público uma viagem sensorial. A banda integra as tradicionais ragas indianas e a repetição milenar dos mantras à liberdade de distorcer uma guitarra ou usa-la como sitar. Pode aquietar a mente, levar à introspecção com o harmonium ou romper a sonoridade com um solo de flauta acompanhando a melodia das cordas havaianas do ukulele.  
11:00 – 11:45 – (0:45)

Gloria Arieira – Vedanta, mente e meditação

Gloria Arieira, do Vidya Mandir, falou sobre os vedas, a mente, o que nos aprisiona e o que nos liberta. Com anos de experiência, Gloria reforçou que os Vedas são uma tradição de Conhecimento em que cada um de nós pode entender mais sobre si mesmo e, assim, se libertar de limitações. “Nossa mente é tanto a causa de nossa prisão, quanto a causa de nossa libertação e autoconhecimento”, disse Gloria ao finalizar sua fala.
11:45 – 12:00 – (0:15)

Banda Shivasamba

Shivasamba é a união de cinco músicos que se permitem experimentar os mantras como potência criativa para oferecer ao público uma viagem sensorial. A banda integra as tradicionais ragas indianas e a repetição milenar dos mantras à liberdade de distorcer uma guitarra ou usa-la como sitar. Pode aquietar a mente, levar à introspecção com o harmonium ou romper a sonoridade com um solo de flauta acompanhando a melodia das cordas havaianas do ukulele.
12:00 – 13:30 – (1:30)

Monja Coen – Zen budismo e as práticas para a vida cotidiana

Uma das atrações mais esperadas do dia, Monja Coen esbanjou simpatia e sabedoria. Ao reforçar que somos todos uma só família e que vida é movimento e transformação, Monja Coen incentivou o público a cumprir a difícil tarefa de não julgar, de entender o outro com todas as suas limitações e estimular sempre os bons pensamentos e o autoconhecimento. A tradição do Zen Budismo foi mostrada por meio da ancestralidade e de como, na espécie humana, todos temos um pouco de cada um. “Somos esse DNA que sobreviveu a inúmeros cataclismos, a inúmeras diferenças. Nós sempre estivemos aqui e sempre estaremos”, disse.

Lote: Tarde

14:30 – 15:00 – (0:30)

Banda Arte de Viver

Os músicos voluntários da Arte de Viver, inspirados em Sri Sri Ravi Shankar, pelos benefícios dos mantras e pela profunda conexão com a música, irão cantar bhajans, mantras e kirtans, que elevam a consciência e abrem o coração. Reconhecidos internacionalmente pela combinação harmônica entre qualidade técnica e sentimento, o grupo trará um repertório composto por mantras clássicos tradicionais, com profundo efeito sobre o indivíduo e o ambiente.    
15:00 – 15:45 – (0:45)

Damien Desnos – Mindfulness: equilibrando mente e coração

Damien Desnos abriu as palestras da tarde e humildemente quis mostrar à plateia como praticar mindfulness. Para ele, basta tratar a mente como uma companheira e, gentilmente, entender que mindfulness é igual a heartness: não há como separar mente e coração. Ele alertou, inclusive que, em algumas culturas asiáticas, mente e coração são uma palavra só. E chamou atenção para as empresas investirem na formação de líderes que sejam guias que valorizem o que realmente importa: o lado humano. “Devemos aprender a lidar com as emoções em momentos difíceis e não se deixar levar pelo furacão”, orientou. Segundo Damien, meditar durante um minuto já pode fazer uma grande diferença e ajudar a ver tudo de uma forma mais positiva.
16:00 – 16:15 – (0:15)

Banda Shivasamba

Shivasamba é a união de cinco músicos que se permitem experimentar os mantras como potência criativa para oferecer ao público uma viagem sensorial. A banda integra as tradicionais ragas indianas e a repetição milenar dos mantras à liberdade de distorcer uma guitarra ou usa-la como sitar. Pode aquietar a mente, levar à introspecção com o harmonium ou romper a sonoridade com um solo de flauta acompanhando a melodia das cordas havaianas do ukulele.  
16:15 – 17:00 – (0:45)

Gunatiita e Taruna Deva – Como atravessar as camadas da mente

Seguindo nessa linha da valorização da meditação, a dupla Gunatiita e Taruna Deva, da Una Meditação e organizadores do Rio Desperta, conduziu a plateia didaticamente no processo de meditação. Após explicarem as camadas a serem “ultrapassadas” à medida em que a meditação avança, ambos conseguiram mostrar que todos podem meditar e que tudo é uma questão de exercitar a mente e se deixar levar. Este processo foi colocado em prática e até mesmo os que praticavam pela primeira vez conseguiram relaxar, meditar e perceber como tudo funciona.
17:15 – 17:30 – (0:15)

Banda músicos Marguiis

O mantra universal usado para Kiirtan – estilo musical da banda – é Baba Nam Kevalam, que significa “Tudo é expressão de amor”. Segundo Shrii Shrii Anandamurti, fundador de Andamarga, o Kiirtan desperta sentimentos humanos e nos ajuda a sentir um prazer superior, porque é através dele que não somos seres insignificantes, nem superiores ou inúteis, somos crianças queridas do Ser Supremo.
17:30 – 18:30 – (1:00)

Monje Jinanananda – Espiritualistas construindo uma sociedade em equilíbrio

O congolês que se diz baiano, o monge Jinanananda, fez um discurso mais engajado, ressaltando que, para mudar a sociedade, é preciso perceber e aceitar o poder de transformação coletiva através do amor. Sua Teoria Sócio Econômica Prout tem todo um embasamento político e mostrou que, sim, apesar de tudo, é possível uma revolução ética a partir do momento em que as pessoas se conscientizarem do poder e força energética que têm. "O dia em que a humanidade seguir os ensinamentos de São Francisco de Assis, por exemplo, a mudança será num estalar de dedos”, ressaltou.
18:30 – 19:00 – (0:30)

Banda Arte de Viver

Os músicos voluntários da Arte de Viver, inspirados por Sri Sri Ravi Shankar, pelos benefícios dos mantras e pela profunda conexão com a música, irão cantar bhajans, mantras e kirtans, que elevam a consciência e abrem o coração. Reconhecidos internacionalmente pela combinação harmônica entre qualidade técnica e sentimento, o grupo trará um repertório composto por mantras clássicos tradicionais, com profundo efeito sobre o indivíduo e o ambiente.
19:00 – 20:30 – (1:30)

Rajshree Patel – Viva, Ame, Ria e Medite

Rajshree Patel, da Organização Internacional Arte de Viver, encerrou o evento com muito carisma, fazendo o público sorrir, dançar e cantar. Há quase 20 anos correndo o mundo para mostrar o poder da meditação, Rajshree ressaltou que cinco minutos por dia já podem fazer uma grande diferença. Ao ser perguntada como adquirir o hábito da meditação, sem se deixar levar por outros compromissos e a constante “falta de tempo”, ela respondeu: “Da mesma forma que você come diariamente. Se não meditar, não coma naquele dia”, arrancando risos da plateia. Igualando o poder humano ao da borboleta que interfere nas correntes dos oceanos com suas asas, Rajshree fez uma defesa contundente da transformação que as pessoas podem fazer na sociedade e no mundo. A meditação interfere diretamente no sistema nervoso e empodera o ser humano a acreditar em todo o potencial do verdadeiro amor. Aquele que transforma, aquele que muda sua visão de mundo e aquele que te faz chegar ao fim da vida certo de que amou ao próximo e viveu sua vida com todo potencial.
20:30 – 20:45 – (0:15)

Comemoração final

Palestrantes e músicos juntos celebram a alegria do encontro.

*Programação sujeita a modificações sem aviso prévio.